segunda-feira, 14 de maio de 2018

Brincadeira de Criança XVI (Portugal)

(Expo Lisboa)

Corro alegre logo a brincar,
Por que só  com raiva ficar?
Na vida, só vale a pena amar! 


(Indo para Espanha)

Brincar de ser uma dama antiga,
Ficar prosa na berlinda amiga,
Rodopiar ante a roda da cantiga.

(Palácio Nacional de Sintra)
Como Rapunzel, brincar de ser princesa,
Sair da torre e da prisão, ser camponesa,
Curtir o belo e as belezas da redondeza.

(Expo - Lisboa)

O medo quase me paralisa,
A amiga me conforta, agiliza
Fico firme, embora com lerdeza.

Eu só quero saber do microcosmo,
O de tanta realidade que nem há.
Na partícula visível de poeira
Em onda invisível dança a luz.
Ao cheiro de café minhas narinas vibram,
Alguém vai me chamar.
Responderei amorosa,
Refeita de sono bom.
Fora que alguém me ama,
Eu nada sei de mim.
(Adélia Prado)


Um comentário:

  1. Só imagino o quanto de brincadeiras fizeste e tiveste por Portugal! Lindo ! bjs, chica

    ResponderExcluir

Deixe seu toque poético aqui.

Related Posts with Thumbnails