segunda-feira, 19 de março de 2018

Meu Mundo Literário






Ler é tudo de bom,
Livros trazem cultura ,
Enrijecimento do interior,
Expelem carinho
Apreendido das letras
Que se sobrepõem 
Às batidas do coração
Que arde e almeja devorar.
Livros e mais livros
Para mais arriscar
A ser feliz e viver, afinal,
Com muita dignidade...





(Ler é uma das minhas experiências inesquecíveis)




Meus oito anos
(Casimiro de Abreu)

Oh ! que saudades que eu tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais !
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais !

Como são belos os dias
Do despontar da existência !
- Respira a alma inocência
Como perfumes a flor;
O mar é – lago sereno,
O céu – um manto azulado,
O mundo – um sonho dourado,
A vida – um hino d’amor !

Que auroras, que sol, que vida,
Que noites de melodia
Naquela doce alegria,
Naquele ingênuo folgar !
O céu bordado d’estrelas,
A terra de aromas cheia,
As ondas beijando a areia
E a lua beijando o mar !

Oh ! dias de minha infância !
Oh ! meu céu de primavera !
Que doce a vida não era
Nessa risonha manhã !
Em vez de mágoas de agora,
Eu tinha nessas delícias
De minha mãe as carícias
E beijos de minha irmã !

Livre filho das montanhas,

Eu ia bem satisfeito,
De camisa aberta ao peito,
- Pés descalços, braços nus -
Correndo pelas campinas
À roda das cachoeiras,
Atrás das asas ligeiras
Das borboletas azuis !

Naqueles tempos ditosos
Ia colher as pitangas,
Trepava a tirar as mangas,
Brincava à beira do mar;
Rezava às Ave-Marias,
Achava o céu sempre lindo,
Adormecia sorrindo,
E despertava a cantar !

Oh ! que saudades que eu tenho
Da aurora da minha vida
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais !
- Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais !

(Que saudade dos meus laços de fita!)

Não sabes, criança? 'Stou louco de amores...
Prendi meus afetos, formosa Pepita.
Mas onde? No templo, no espaço, nas névoas?!
Não rias, prendi-me
Num laço de fita.

Na selva sombria de tuas madeixas,
Nos negros cabelos da moça bonita,
Fingindo a serpente qu'enlaça a folhagem,
Formoso enroscava-se
O laço de fita.

Meu ser, que voava nas luzes da festa,
Qual pássaro bravo, que os ares agita,
Eu vi de repente cativo, submisso
Rolar prisioneiro
Num laço de fita.

E agora enleada na tênue cadeia
Debalde minh'alma se embate, se irrita...
O braço, que rompe cadeias de ferro,
Não quebra teus elos,
Ó laço de fita!

Meu Deusl As falenas têm asas de opala,
Os astros se libram na plaga infinita.
Os anjos repousam nas penas brilhantes...
Mas tu... tens por asas
Um laço de fita.

Há pouco voavas na célere valsa,
Na valsa que anseia, que estua e palpita.
Por que é que tremeste? Não eram meus lábios...
Beijava-te apenas...
Teu laço de fita.

Mas ai! findo o baile, despindo os adornos
N'alcova onde a vela ciosa... crepita,
Talvez da cadeia libertes as tranças
Mas eu... fico preso
No laço de fita.

Pois bem! Quando um dia na sombra do vale
Abrirem-me a cova... formosa Pepital
Ao menos arranca meus louros da fronte,
E dá-me por c'roa...
Teu laço de fita.

Meu anjo, escuta: quando junto à noite
Perpassa a brisa pelo rosto teu,
Como suspiro que um menino exala;
Na voz da brisa quem murmura e fala
Brando queixume, que tão triste cala
No peito teu?
Sou eu, sou eu, sou eu!

(Amo minha criança interior, era uma boneca segurando outra bonequinha)


Meus Oito Anos

Quando tu sentes lutuosa imagem
D'aflito pranto com sombrio véu,
Rasgado o peito por acerbas dores;
Quem murcha as flores
Do brando sonho? — Quem te pinta amores
Dum puro céu?
Sou eu, sou eu, sou eu!


Se alguém te acorda do celeste arroubo.
Na amenidade do silêncio teu,
Quando tua alma noutros mundos erra,
Se alguém descerra
Ao lado teu
Fraco suspiro que no peito encerra;
Sou eu, sou eu, sou eu!


Se alguém se aflige de te ver chorosa,
Se alguém se alegra co'um sorriso teu,
Se alguém suspira de te ver formosa
O mar e a terra a enamorar e o céu;
Se alguém definha
Por amor teu,

Sou eu, sou eu, sou eu!




Eu leio... logo: existo!

O que seria de mim sem a leitura?
Desde muito nova, pequenina,
Já me encantavam os belos  livros.
Incentivada pelo padrinho de Batismo,
Perdia-me em castelos encantados,
O primeiro: Alice no País das Maravilhas...
Outros contos de fadas fascinantes...
Eu era, desde então, feliz menina:
A princesa do Príncipe, ele sempre vinha...
Minha vida se tornava muito mais doce
Por contemplar lindos cenários de amor.
O tempo foi passando na minha tenra infância,
Logo recebi dele um livro de POESIA infantil
Tenho os dois guardadinhos até hoje...
Remontam da longínqua data de 1965...
Da própria vida fui fazendo poesia...
Mesmo quando me quebraram o encanto.
O tempo passou... tão lentamente!
Cheguei ao clássico Pequeno Príncipe,
Como toda adolescente iniciante,
Polyana que existia em mim foi crescendo,
De menina... moça... à mulher madura...
Do limão, sempre fazendo limonada...
Chegado o Vestibular e à juventude,
Lógico não me poderiam faltar os clássicos,
Machado de Assis e José de Alencar
Marcaram uma época feliz de muita busca...
Produção... êxito... estabilidade e luta... 
Chegando à fase adulta e ESPIRITUAL
Brindou-me, belamente, o Senhor da Vida
Com os célebres Mestres literários:
O espiritual Anselm GrünOSB
Encheu-me à alma de fascínio e mística!
Augusto Cury me encantou,
Falando do Mestre do Amor
Preencheu-me à alma eternamente...
O que dizer sobre a magia da leitura?
Preenchimento de lacunas? Vazio atenuado?
Livramento do ócio tão somente?
É muito mais do que o nada 
Envolver a vida com palavras...
É de tudo sentir e muito saborear
Como dizia o Mestre Inácio de Loyola
Se PROFUNDIDADE queremos alcançar...
À leitura nos devemos dedicar...
Se o mundo lesse mais, certamente,...
As palavras vãs desapareceriam 
Das nossas "bocas tão vadias"...




... a língua, porém, ninguém consegue domar. É um mal incontrolável, cheio de veneno mortífero.
Com a língua bendizemos ao Senhor e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus.
Da mesma boca procedem bênção e maldição. Meus irmãos, não pode ser assim!
Acaso pode sair água doce e água amarga da mesma fonte?


Tiago 3,8-11

Rezar, ler e escrever... me fazem amar e servir com amor.


Buscando a Cristo
(Gregório de Matos)

A vós correndo vou, braços sagrados,
Nessa cruz sacrossanta descobertos,
Que, para receber-me, estais abertos,
É, por não castigar-me, estais curvado.

A vós, divinos olhos, eclipsados
De tanto sangue e lágrimas abertos,
Pois para perdoar-me, estais despertos,
E, por não condenar-me, estais fechados.

A vós, pregados pés, por não deixar-me,
A vós, sangue vertido, para ungir-me,
A vós, cabeça baixa, para chamar-me.

A vós, lado patente, quero unir-me,
A vós, cravos preciosos, quero atar-me,
Para ficar unido, atado e firme.




(Meu garoto faz 44 anos e meu coração se abriu à maternidade, desde então...)

Ser Mãe
( Coelho Neto  )

Ser mãe é desdobrar fibra por fibra
o coração! Ser mãe é ter no alheio
lábio que suga, o pedestal do seio,
onde a vida, onde o amor, cantando, vibra.

Ser mãe é ser um anjo que se libra
sobre um berço dormindo! É ser anseio,
é ser temeridade, é ser receio,
é ser força que os males equilibra!

Todo o bem que a mãe goza é bem do filho,
espelho em que se mira afortunada,
Luz que lhe põe nos olhos novo brilho!

Ser mãe é andar chorando num sorriso!
Ser mãe é ter um mundo e não ter nada!
Ser mãe é padecer num paraíso!

Flores lindas, fresquinhas, colhidas para quem ama ler e escrever...


Mas o mais importante que eu aprendi foi dividir o Amor.






13 comentários:

  1. Ler é mesmo uma viagem e emoção sempre! Só nos faz bem, sabendo bem escolher! Linda participação! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Minha querida Rosélia! Quantas recordações que lhe enche o peito de saudade dos anos bons que passaram. Sim a leitura nos faz muito bem, acresce os nosso conhecimentos. Mas a sua postagem está bela! Suas fotos, uma bela retrospectiva na lina do tempo. Suas poesias encantadoras e esta com sua família. Filhos netos... Amei! Estou sem palavras para agradecer seu carinho e atenção. Seja sempre bem vinda! Lhe tenho um carinho especial. Parabéns! Deus continue lhes abençoando. Bjuss

    ResponderExcluir
  3. Querida Rosélia, estou encantada não só com suas poesias lindas mas com a linda história da sua vida. Você é um exemplo, parabéns! Lindas fotos, família abençoada e você o sustentáculo de tudo com a sua fé em Deus!

    Parabéns pela magnífica participação. Abraços, continue com jesus no coração.

    ResponderExcluir
  4. Belíssima participação Rosélia!
    Adorei vê-la pequenina como uma boneca,linda demais.
    Bjs e um ótimo domingo.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a foto que mais gosto, amiga... Amo bonecas até hoje. Não vejo a hora de minhas netinhas chegarem, rs... Bjm

      Excluir
  5. Olá amiga! Parabéns pela maravilhosa, encantadora e magnífica participação.
    Mesmo sem tempo, pois estou fazendo doces e salgados para encomendas, não poderia deixar de participar desta edição. A minha postagem se baseou mais na importância do livro, espero que goste. Tem poesia para não fugir do poetizando.
    https://bibliotecamadre.blogspot.com.br/2018/03/27-edicao-do-poetizando-e-encantando.html
    Abraços, feliz fim de semana.

    ResponderExcluir
  6. https://poemasdaminhalma.blogspot.pt/
    Olá Rozélia, que encanto o seu poetizar, no Poetizando e Encanado da nossa amiga Lourdes. Foi excepcional a sua participação, para além da lindíssima poesia ainda mais me encantou as suas linda fotos de criança. Adorei!
    Beijinho e ótimo domingo.
    Luisa fernandes

    ResponderExcluir
  7. Ler é degustar palavras com sabor de descoberta, aprendizado, emoção, aventura, poesia... Como sempre, uma bela postagem.

    Um abraço e bom domingo.

    ResponderExcluir
  8. Rosélia!
    Quanta inspiração, não apenas em seus versos, mas de todos que resolveu homenagear, trazendo os poemas.
    Polyana e O Pequeno Príncipe são livros da minha vida inteira, deram norte e estímulo para o caminho.
    Parabéns pela participação.
    Semaninha de luz e paz!!
    “Quando choramos abraçados e caminhamos lado a lado. Por favor amor me acredite, não há palavras para explicar o que eu sinto...” (Renato Russo)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/2018/03/divulgacao-cultural-37-27-poetizando-e.html

    ResponderExcluir
  9. Boa noite de paz querida amiga.
    Uma postagem voltada às magias dos livros que marcaram época e pessoas. Bela seleção em referencia, que muitos deles lemos e ainda hoje voltamos a ler.Tenho bela lembrança quando conheci Machado de Assis através de uma freira professora. Uma postagem vasta de ilustrações maravilhosas, que denota dedicação e carinho na BC.
    Meus parabéns ao filho e que a paz esteja an família.
    Carinhoso abraço.
    Bjs de paz e luz.

    ResponderExcluir
  10. Olá Rosélia querida, uma participação invejável, sua história, suas saudades, as lindas fotos, amei a das bonequinhas,vc e sua boneca. o que seria de qq ser humano sem a leitura,muito bom conhecer um pouco mais de vc através da BC. Gostei muito das ilustrações. Parabéns pela diferenciada participação.
    Votos d uma feliz semana.

    Bjss!
    http://blogandocletivamente.blogspot.com.br

    http://contosdadina.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Linda autobiografia poética incentivando a leitura, Rosélia, amei seus versos e sua participação!!!

    Beijos e excelente semana!
    Nick

    ResponderExcluir
  12. Oi Rosélia, que depoimento fantástico, eu adorei sua participação. Eu também me encantei pelos livros logo na minha infância. o livro MESTRE DO AMOR de Augusto Cury, é também um dos meus preferidos. Um abraço.

    ResponderExcluir

Deixe seu toque poético aqui.

Related Posts with Thumbnails