sábado, 10 de dezembro de 2016

Escuta Intrépida



Escuta Intrépida

Olho para ele. 
Começo acompanhando-o. 
Mesmo sabendo ouvi-lo pausadamente,
Ele cala-se, apaticamente.
Mete-se sistematicamente
(Ostracismo puro),
Enclausura-se. 
Casulo antipático, medroso, sórdido... 
Olho-o paulatinamente, empaticamente,
Compassivamente, amorosamente,
Mesmo sabendo, ostensivamente,
Porque ele cala-se, amargura-se,
Morre silenciosamente.
Observo-o, piedosamente. 
Ele, cordialmente, atende minha sensatez. 
Ofusco-o, praticamente. 
Enervo-o comedidamente, ansiosamente,  
Mas sei porque
Ele comporta-se assim.
Médica, sensibilizo-me. 
Ofusco-o para empregar-lhe corretivo,
Alívio moroso sobre o péssimo, enigmático,
Comportamento abatido. 
Merece sofrer? 

O pesadelo em casa: aceitar mãe sádica.



3 comentários:

  1. Não há quem mereça!
    O poema está excelente.
    Abraço, estimada amiga.
    Uma semana agradável...
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde Amiga,
    Um poema forte, mas ninguém merece sofrer, não!
    Por vezes há que tomar atitudes para aliviar ou evitar maior sofrimento!
    Um beijinho fraterno.
    Ailime

    ResponderExcluir

Deixe seu toque poético aqui.

Related Posts with Thumbnails