terça-feira, 13 de agosto de 2013

MENINA MOÇA


Minha Adolescência

É tempo de explosão!
Tempo inquietante
 De buscas e incompreensões...
Donde o carinho interno infantil
 É surpreendido pelo zelo em excesso e maternal...
O amargor vem preencher a alma.
 Por que logo comigo?
Por ser a mais velha 
E a centro das atenções 
Para os perigos reinantes?
Quanta crueldade!
O Dom das lágrimas receber
 Para a alma aliviar...
Período onde a escrita 
Suprime a falta de diálogo familiar...
O sentimento romântico invade o meu ser,
 A doce espera do coração acalentar...
Que posso imaginar da vida?
Se dela nada sei ainda 
E só estou a espera do bom e belo...
Previnem-me e roubam-me o melhor
 Que poderia ter-me acontecido... 
Pena mesmo!
Resta-me engolir o insuportável,
 Tragar o suportável.
 Tempo de muita melancolia gerada!
Nada posso,
 Nada me é permitido,
 Estudar,
 Estudar e só estudar...
Namorar?
Dançar?
Passear?
Ter amigas?
Não! Não! Não!
Jamais!
Pela vida afora, se possível for
 Pois repressão é um lema imposto...
 E não cabe diálogo
compreensão...
Medo gerado da vida,
 Do amor,
 Do ser humano,
 De caminhar com as próprias pernas,
 E dos outros depender
 Uma sentença imposta para valer...
Degraus conquistar,
 Galgar andares do êxito cultural...
Como não corresponder?
 Avante!
Neurônios polidos,
 Êxito vivido...
Sonhar como uma princesa,
Esperar como uma dama,
 Quase nada conquistar...
Vestir-se de branco,
 Dançar em ritmo terno e brando,
 Sonhar com um beijo do príncipe,
 Bastar-se com olho no olho enamorado
Não mais...
Adolescente?
Púbere?
Infantojuvenil?
Que importa?
Castelos imaginar,
 Amor a esperar...
Doce espera conflituosa,
 Coração dividido,
 Pesar e dor,
 Compreender as perdas iniciais...
Sensibilidade à flor da pele,
 Coração povoado de doces encantos...
Vitórias encaminhadas,
 Conquistas desejadas e lutadas...
Doce tempo, afinal!
Tecer desejos,
 incutir e engolir afetos...
Mãos ao lápis!!
Diário fraterno,
 Companheiro amigo...
Coração “excitado”,
Doce e acelerado...
Solidão em meio a mil,
 Letras conjugadas,
 Sabores renovados...
Quem pode impedir-me de sonhar?
Nunca,
Ninguém,
 Jamais!
Coração, se contenha!
Espere com paciência e mansidão...
Um dia vai dar asas a sua imaginação...
A vida renova-se...
Tempo de afeto reprimido,
 Conflitos púberes debaixo do tapete...
Quebra, cabeça!
Explode, coração!

2 comentários:

  1. Era um tempó de muita repressão.Nada podia, mas se fazia, por baixo dos panos,rss.. Lindo! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Rosélia, quanta inspiração!Lindo!!!
    Tempos difíceis para uma adolescente!
    Beijos
    Amara

    ResponderExcluir

Deixe seu toque poético aqui.

Related Posts with Thumbnails