segunda-feira, 30 de abril de 2012

Canção do Exílio - Gonçalves Dias




Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar — sozinho, à noite —
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

               Coimbra, julho de 1843

7 comentários:

  1. Essa poesia é muito linda. Da época que eu estudava. Até hoje é muito apreciada nas escolas e fora dela.Já fiz apresentação com meus alunos com ela.



    Bjos Luzia

    ResponderExcluir
  2. Uma canção maravilhosa, os versos são de uma saudade que toca o coração, lindo!
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  3. Uma bela poesia que lembra o tempo em que era bem jovem e estudava.
    um abraço

    ResponderExcluir
  4. Essa pureza apreciada por nós, na mocidade, traz-nos recordações de uma terra que hoje não prioriza seus elementos naturais biosféricos.
    Bj. Célia.

    ResponderExcluir
  5. Que bom relembrar esta poesia, saudade dos tempos de menina, bjs e bom feriado. Ieda.

    ResponderExcluir
  6. minha mae me ensinou essa poesia eu era bem pequeninho.]

    La meu blog hoje só os desenhos sao meus, o texto que vida boa é de uma amiga.

    beijos
    obrigado pela visita la

    ResponderExcluir
  7. Vim agradecer a visita ,adoro poesias e acho que vou ficar por aqui ,gostei!!!

    ResponderExcluir

Deixe seu toque poético aqui.

Related Posts with Thumbnails